Ir para o conteúdo

Notícias

1ª Volta ao Ribatejo a Correr parte no d…

  A Câmara Municipal de Salvaterra de Magos é parceira da 1ª Volta ao Ribatejo a Correr protagonizada pelo atleta João Paulo Félix, prova que se realiza a ...

Read more

Inf. Institucionais

Período Crítico de Incêndios alargado at…

  O PERÍODO CRÍTICO de incêndios, no âmbito o Sistema da Defesa da Floresta contra Incêndios, foi alargado até 23 DE NOVEMBRO DE 2017, atendendo às condiçõ...

Read more

Inf. Institucionais

Reunião Ordinária da Câmara Municipal

  A Reunião Ordinária Pública da Câmara Municipal de Salvaterra de Magos vai decorrer na próxima 4ª feira, 22 de Novembro, pelas 14h30, no Salão Nobre dos ...

Read more

Inf. Institucionais

Sessão Ordinária da Assembleia Municipal

    O Auditório da Escola Profissional de Salvaterra de Magos, acolherá a  29 de Novembro,  pelas 21h00, uma Sessão Ordinária da Assembleia Municipal de Salvaterra de...

Read more

Inf. Institucionais

Tolerância de ponto nos dias 15 e 26 de …

  Os serviços da Câmara Municipal de Salvaterra de Magos estarão encerrados nos dias 15 e 26 de dezembro devido a tolerância de ponto, com excepção daquele...

Read more
  SEGUIR

Locais de Interesse

 

:: SALVATERRA DE MAGOS

 

FALCOARIA REAL

__________________________

   

A história da Falcoaria Real de Salvaterra de Magos (edifício único na Península Ibérica) está intimamente ligada à história do Paço Real - Casa de Campo da Coroa - que transformou a nobro vila ribatejana de Salvaterra de Magos num importante centro da vida social e artística da corte portuguesa. É difícil precisar a data da construção do Palácio da Real Falcoaria, contudo vários autores apontam as primeiras décadas do Séc. XVIII, como a data da construção do Palácio. O período de maior ascensão da Falcoaria, dá-se em 1752 quando chegaram ao Palácio da Falcoaria Real, 10 falcoeiros holandeses de Valkenswaard, para ensinar esta arte.

Durante o séc. XVIII, ficaram famosas as pomposas caçadas que se realizaram em Salvaterra de Magos, contudo a partir do início do séc. XIX, esta actividade começa a perder o seu fulgor e entre lentamente em decadência.

São várias as razões apontadas para este declínio: as invasões francesas que obrigaram a que família real se fixasse no Brasil, a instabilidade política vivida nos anos 20 e 30, e a abolição das coutadas em 1821.

Após decadas de abandono, a Falcoaria Real de Salvaterra de Magos foi recuperada pela Câmara Municipal e inaugurada em 19 de Setembro de 2009, tornando-se num dos principais elementos turísticos do concelho, estando dotada de uma Exposição Permanente de Aves, um Auditório e Pombal.

 

 

CAPELA DO ANTIGO PAÇO REAL

__________________________

A origem deste templo remonta ao séc. X VI, quando o Infante D. Luís o manda edificar. Trata-se de um templo renascentista, onde se destaca a cúpula que assenta em 12 volumosas colunas e meias colunas com capitéis dóricos, adossados às paredes laterais. O resto do corpo da Capela é formado por um jogo de 10 colunas, 6 delas encostadas 3 a 3 , junto a 2 pilares.

A capela Real sofreu obras no reinado de D. Pedro II (Séc. XVII), que mandou executar o altar em talha dourada, com colunas barrocas e capiteis coríntios, no altar destaca-se também um Cristo em tamanho natural. É deste período que datam os frescos do tecto, que são constituídos por uma excelente composição barroca, decorada por anjos esvoaçando em redor de um medalhão central, e nos quatro cantos do tecto figuram pequenos medalhões ovais com motivos decorativos relacionados com a paixão de Cristo.

_________________________

 

ESCAROUPIM - Aldeia Avieira

__________________________

Escaroupim é uma típica aldeia piscatória, formada em meados dos anos 30 por pescadores oriunda da Praia da Vieira (Marinha Grande), que sazonalmente vinham ao Tejo fazer as campanhas de pesca de inverno, sobretudo o sável, procurando no Tejo o sustento das suas numerosas famílias, num Tejo rico em pescado, regressando à Praia da Vieira no Verão. Muitos destes pescadores foram ficando pelas margens do Tejo, deixando de ir à sua Praia da Vieira, e assim formaram pequenas povoações piscatórias aos longo do rio. Nestas povoações as habitações são feitas em madeira, pintadas de cores vivas e assentes em estacaria, de modo a estarem protegidas das frequentes cheias do rio.

A peculariedade das duas casas é extensiva aos seus barcos de pescas, também em madeira e pintados de cores vivas.

A Câmara Municipal criou um museu - Casa Típica Avieira - cuja origem resulta das recolhas efectuadas pela autarquia junto da população local, com o intuito de preservar a memória colectiva destes pescadores que um dia deixaram Vieira de Leira e se fixaram nas margens do Rio Tejo.

Alves Redol definiu estes grupo de pescadores como "nómadas do rio", pois eles representam uma das mais interessantes migrações que Portugal assistiu, durante os meses do Inverno famílias de pescadores, deslocavam-se de Vieira de Leira para o Rio Tejo, para pescar o sável, no princípio do verão voltavam novamente à sua terra natal, para pescar no mar.

A Casa Típica Aviera é de pequenas dimensões, pintada com cores vivas, assente em pilares devido às cheias do Tejo, o acesso é feito por umas escadas, no interior destacam-se três espaços: a cozinha onde o elemento que mais se destaca é a lareira ladeada por tijolos e cheia com terra batida, a mesa das refeições e várias prateleiras completam esta divisão, a sala é a outra divisão onde estão dois baús para guardar roupa, neste espaço dois manequins envergam os trajes típicos dos avieiros, a última divisão são os dois quartos de pequenas dimensões com camas em ferro, por cima dos quartos uma última divisão que serve de sótão para guardarem os materiais relacionados com a pesca.

_________________________

 

 

 

 

CELEIRO DA VALA REAL - ESPAÇO CULTURAL

__________________________

A sua origem remonta ao séc. XVII e, esteve intimamente ligado à Casa do Infantado – Instituição Real que consistia numa organização patrimonial, para os segundos filhos dos monarcas.

No período conturbado após a revolução liberal, a Casa do Infantado é extinta em 1834 por um decreto de D. Pedro IV. Todos os seus bens foram integrados na Fazenda Nacional. Em 1836 o edifício passa para a Companhia das Lezírias, acentuando ainda mais a sua característica agrícola.

No exterior do edifício, um nicho em mármore com um frontão triangular, rematado por uma cruz em pedra, com a data de 1657, assinala um antigo passo da paixão de Cristo.

Com o passar dos tempos, Celeiro cessa as suas funções de cariz agrícola e foi abandonado, em 1998 foi adquirida pela Câmara Municipal de Salvaterra de Magos, e iniciou-se um processo moroso de recuperação, respeitando sempre a traça urbanística, e desta forma adoptou este edifício para Espaço Cultural.

_________________________

 

 

 

 

IGREJA DE SÃO PAULO (MATRIZ)

__________________________

Situada no centro da vila, foi construída no ano de 1296 e quase destruída nos terramotos de 1705 e 1909.

Edifício bem conservado, no qual se destaca, na Capela-Mor, o altar de talha dourada, decorado com uma tela do século XVI e na antiga sacristia, um dos painéis de azulejos tem uma cartela com a data de 1725. No interior da igreja, uma das nave tem um tecto de falsa abóbada em madeira com a pintura representado o seu orago, São Paulo, elevando-se aos céus guardado por um grupo de anjos.

Os representantes do clero, por volta do século XVII, encomendaram pequenos painéis de azulejos que continham uma imagética diversificada, como cenas religiosas, de caça, guerreiras, mitológicas. 

_________________________

 

 

EDIFÍCIO DO CAIS DA VALA

 __________________________

Em 2004, no Cais da Vala Real de Salvaterra de Magos, foi construído pela Câmara Municipal, o Centro de Interpretação e Educação Ambiental.

Este centro é composto pelo posto de Turismo de Salvaterra de Magos. Este espaço além de promover a divulgação do concelho e fornecer informações turísticas, e alberga ainda o “Museu do Rio”, que tem como objectivo a salvaguarda, valorização e divulgação do património Natural, dos vestígios arqueológicos e históricos, bem como dos testemunhos das comunidades ribeirinhas.

Morada: Av. Dr. José Luís Brito Seabra, Salvaterra de Magos
                GPS: N = 39º 1' 48'' O = 8º 47' 31''

Horário: Segunda a Sexta - 09h00/12h30m e das 13h30/18h00

_________________________


 

PONTE DO CAIS DA VALA

__________________________

A ponte da Vala Real de Salvaterra de Magos, localiza-se na linha de água que vem do Paul de Magos, e que vai escoar ao rio Tejo.

Esta linha de água durante séculos, foi a principal via de comunicação de Salvaterra de Magos, o seu topónimo (Vala Real), deve-se às constantes deslocações da Família Real a Salvaterra de Magos, nestas viagens os bergantins reais aportavam ao Cais desta vala.

No imaginário popular, esta ponte é de origem romana, contudo este facto é completamente falso.

Em termos históricos, é difícil precisar a origem da ponte, contudo podemos inclinar o séc. XVII, como a data em que se edificou. As razões apontadas para este século, incide que no reinado de D. João IV, promoveram-se grandes obras no Paul de Magos em toda a sua extensão, e por consequência terá mandado construir a ponte.

No séc. XVIII, surgem referência às pontes na Vala Real, no Dicionário Geográfico de Portugal (1758),  “há no rio desta Terra duas pontes de cantaria: uma ao pé da Vila, e outra para a parte do Noroeste ao pé de um sítio a que chamam o Casal”. A ponte da Vala Real, é assim referenciada em termos geográficos, como a “ponte ao pé da Vila”

É um dos monumentos mais emblemáticos de Salvaterra de Magos, localizado junto de uma das principais vias de comunicação de Salvaterra de Magos: a Vala Real.

_________________________

 

 

 

FONTE DO ARNEIRO 

__________________________

Há quem afirme que esta mãe de água da Fonte do Arneiro está localizada junto do Convento de Jericó.

A água é o líquido fundamental à vida de qualquer ser vivo, ao longo da história o Homem sempre se esforçou para conseguir captar a água, criando e inventando inúmeros mecanismos. Nos pequenos aglomerados urbanos, o abastecimento de água às populações, era feito normalmente por fontes.

Em Salvaterra de Magos, na zona denominada “Arneiro”, na primeira metade do Séc. XVIII, foi edificada em 1711, segundo a data inscrita na frontaria, a Fonte do Arneiro, que durante séculos abasteceu a população da vila.

Em termos de caracterização arquitectónica, revela um traçado simples, onde se destaca o tecto abobadado, a data da construção no frontão, tem duas bicas para captação de água, e o seu acesso é feito por uma escadaria em pedra lioz.

Associado ao imaginário popular, estão presentes os “misteriosos túneis”, que o povo associa aos locais de refúgio e fuga dos elementos da Corte. Estes “túneis”, não são mais que os canais que iam buscar a água à nascente (mãe de água), que se localizava a grande distância da fonte. Há quem afirme que esta mãe de água da Fonte do Arneiro esteja localizada junto do Convento de Jenicó, porém a falta de elementos não nos permite verificar a autenticidade desta afirmação popular.

_________________________

 

 

 

 

PRAÇA DE TOIROS

__________________________

Inaugurada em 1920, ainda hoje é uma das Praças com mais espectáculos tauromáquicos ao longo do ano.

Uma das mais célebres páginas da nossa literatura tauromáquica é “A última Corridas de Toiros em Salvaterra de Magos”, imortalizada por Rebelo da Silva, nos seus Contos e Lendas.

A praça de Toiros de Salvaterra de Magos, foi construída em 1920, situada à entrada da vila, junto à estrada nacional, é um cartão de visita para todos os “aficcionados”.

_________________________

 

 

 

 

CAIS DA VALA E AS EMBARCAÇÕES TRADICIONAIS

__________________________

Durante séculos a Vala Real, foi a principal via de comunicação de Salvaterra de Magos. No seu pequeno cais, aportavam os reais bergantins, que partiam do Terreiro do Paço, com a família real.

A corte aclamou Salvaterra de Magos como um local único para as suas estadias, pois nesta vila podiam assistir a grandes espectáculos de ópera e teatro, como participar em pomposas caçadas com falcões.

A Vala Real foi um dos mais importantes entrepostos comerciais do sul do país, daqui embarcavam e chegavam todos os tipos de mercadorias para Lisboa. Com a construção da ponte em Vila Franca de Xira na década de 50, começou a perder o seu fulgor inicial.

Hoje em dia nas suas margens entre choupos e salgueiros, pequenas embarcações de pesca repousam, após um dia de dedicação à pesca.

_________________________

 

 

 

 

IGREJA DA MISERICÓRDIA DE SALVATERRA DE MAGOS

__________________________

A sua fundação remonta ao séc. XVII, é um templo de uma só nave, com o altar-mor em talha dourada, ostentava no tecto até 1979, vários painéis representando as Obras da Misericórdia e os Passos da Vida de Nossa Senhora, nesse ano o Inverno rigoroso fez desabar o tecto, e danificou algumas telas.

Em termos de beleza arquitectónica há a destacar o púlpito e o coro, e assim como os azulejos datáveis ao Séc. XVIII.

_________________________

 

 

 

 

:: MUGE

 

PONTE ROMANA DE MUGE

__________________________

Construída no período romano, é um importante vestígio da presença daquele povo no concelho.

A presença romana na freguesia de Muge, está bem acentuada no lugar de Porto de Sabugueiro. Neste local encontram-se os vestígios mais marcantes deste período histórico.

O Porto de Sabugueiro, devido à sua proximidade junto ao rio Tejo, foi durante o período romano, um importante porto fluvial, as escavações realizadas e os estudos publicados, definem este local como uma importante vila romana, com produção de material cerâmico, devido à existência de um forno de cerâmica, aqui encontrado na década de 60.

Sensivelmente a 400 metros deste local, encontra-se a Ponte Romana, que atravessa a ribeira de Muge. Pelo aparelho de construção usado, em especial no arco de maiores dimensões, verifica-se sem dúvida que a sua origem é romana, contudo os outros dois arcos mais pequenos, pela sua tipologia são atribuíveis à Idade Média.

Esta Ponte foi um dos principais pontos de travessia, que ligava Muge, quer ao interior do país (Alentejo), quer à cidade de Santarém.

Possui um inegável valor histórico, fazendo parte da memória e identidade patrimonial do concelho de Salvaterra de Magos, atenta a estes factores a Câmara Municipal de Salvaterra de Magos, decidiu avançar para a sua recuperação, valorizando desta forma a sua história local.

_________________________

 

 

 

 

CONCHEIROS DE MUGE

__________________________

Os concheiros de Muge, foram descobertos em 1863 por Carlos Ribeiro, a quem muitos denominam como o "Pai" da arqueologia portuguesa. Podemos designar os concheiros como "colinas artificiais" onde se estabeleceram sazonalmente várias comunidades de caçadores-recolectores, que faziam da apanha de moluscos uma das suas principais actividades, e em termos históricos reportam-nos para o período do mesolítico.

Os concheiros de Muge (concheiro Cabeço da Arruda; Moita do Sebastião e Cabeço da Amoreira), são uma das mais importantes estações arqueológicas da pré-história portuguesa. As maiores colecções de esqueletos do período mesolítico na Europa, são as dos concheiros de Muge.

Pela sua enorme importância científica, os concheiros de Muge, são citados em todos manuais da pré-história da Europa.

_________________________

 

 

 

 

PONTE FERROVIÁRIA RAINHA D. AMÉLIA

__________________________

Esta ponte férrea, viu iniciada a sua construção em Julho de 1902, tendo sido inaugurada a 14 de Janeiro de 1904. Um projecto do famoso engenheiro francês Gustave Eiffel, num excelente exemplo da denominada “Engenharia do Ferro”, que caracterizou os finais do Séc. XIX e inícios do Séc. XX. 

A ponte que cruza o Rio Tejo com os seus 840m de comprimento e 5m de largura, foi encerrada em 2001 ao trafego ferroviário, tendo de seguida sido alvo de obras que permitiram a sua abertura para circulação de veículos ligeiros, ligando desta forma os concelhos de Salvaterra de Magos e do Cartaxo.

_________________________

 

 

 

 

IGREJA DE MUGE

__________________________

Cuja padroeira é Nª Sra. da Conceição, foi construída em 1297, por Afonso Pais, pároco de Salvaterra, por ordem do bispo de Lisboa. Isto deve-se ao facto de cada vez mais colonos afluirem à aldeia de Muge e, por não terem igreja paroquial, escusavam-se ao pagamento dos dízimos.

Em 1298, por acordo com o Mosteiro de Alcobaça, o padroado da Igreja de Stª Maria de Muge é trocado pelo de S. Tomé de Lisboa. Assim, o Mosteiro manteve-se com todos os direitos de padroado (dízimos, apresentação do pároco, etc.) até cerca de 1834.

No séc. XIV a igreja era constituída provavelmente por uma única nave, três capelas (S. Pedro, Capela-Mor, dedicada a Sta. Maria, e S. João Baptista) e um campanário.

No último quartel do séc. XVII a capela-mor medieval é demolida para se poder construir o retábulo de talha que hoje possui.

A partir de 1712, devido ao estado de ruína em que se encontrava, o Câmara obriga o Mosteiro de Alcobaça a proceder a reparações, das quais resultaram arranjos profundos nas capelas laterais (em particular os retábulos de talha dourada joanina) e a substituição do campanário medieval por uma torre sineira, concluída em 1719.

Por o restauro ter sido insuficiente, a Igreja esteve em obras durante todo o séc. XIX, até que, em 1899, a Junta de Paróquia decide proceder a um restauro de fundo, do qual resultou o aspecto que hoje tem. Foi acrescentada mais uma torre, as paredes foram reconstruídas com pedra (anteriormente eram de taipa) e todas as cantarias mudadas.

_________________________

 

 

 

 

PALÁCIO DA CASA CADAVAL

__________________________

A Casa Cadaval, foi uma das instituições mais importantes, após o período da Restauração. O Palácio dos Duques de Cadaval, sofreu ao longo dos tempos várias obras de ampliação.

Há a referenciar nesta residência uma capela dedicada à N. Sr.ª da Glória, onde se destaca uma imagem desta Santa em azulejos, datados de finais do séc. XVIII.

_________________________

 

 

 

 

 

:: GLÓRIA DO RIBATEJO

 

CASA TRADICIONAL DA GLÓRIA DO RIBATEJO

__________________________

A Casa Tradicional de Glória do Ribatejo, foi criada em 1988, pela Associação para a Defesa do Património Etnográfico e Cultural de Glória do Ribatejo (ADPEC), todo espólio que completa este espaço museológico, é fruto das recolhas efectuadas pela ADPEC, junto da população gloriana.

Ao transpormos a porta de entrada, deparamos com  duas divisões: a divisão mais espaçosa é constituída pela cozinha e a “sala de fora”, a outra divisão é o quarto, sendo a sua privacidade defendida apenas por uma cortina, nas traseiras da casa encontra-se um outro anexo, o quintal onde se destaca o forno de cozer o pão. Em ambas as divisões o chão é de terra batida, também designado de “salão”, a cozinha funciona como o centro do pequeno mundo familiar, pois era ao “canto” (lareira), que cozinhavam, comiam e se reuniam, um objecto de decoração no “canto” é a “boneca”, que se encontra na lareira.

A “casa de fora”, é considerada o cartão de visita da casa, aqui o olhar prende-se logo com a cantareira, que é uma estrutura em argamassa, onde se guardavam loiças, que raramente são usadas, pois as peças aqui presentes são herdadas dos seus antepassados, por isso constituem uma ligação afectiva que não se deve quebrar, neste mesmo espaço está o “pial”, onde se guardavam os cântaros e as quartas para a água, que a mulher logo de manhã ia buscar à fonte.

Na “sala de fora”, encontramos a “mesa do espelho”, onde são colocados vários objectos decorativos: garrafas, loiças, fotografias entre outros. Junto às paredes destacam-se os baús e arcas para guardarem as roupas e a salgadeira para a carne, nas paredes destacam-se as prateleiras e estanheiras, habitualmente pintadas de cores garridas.

Para entrar no quarto, há que desviar uma cortina, nesta divisão destaca-se a cama de ferro, cujo colchão é cheio com palha de arroz, sendo os lençóis devidamente ornamentados com bordados a ponto de cruz.

Finalmente nesta divisão é visível o pequeno berço, se porventura o casal tivesse mais que um filho, o que era muito usual, estes tinham que dormir numa esteira que era estendida junto ao canto.

O último anexo, que constitui este núcleo museológico é o quintal onde uma parreira preguiçosa cresce, e onde se encontra o forno de cozer o pão, com todos os seus utensílios.

_________________________

 

 

 

 

MUSEU ETNOGRÁFICO DE GLÓRIA DO RIBATEJO

__________________________

A ideia da criação de um Museu Etnográfico, surgiu de uma conjugação de esforços e trabalhos desenvolvidos pela ADPEC. A Glória do Ribatejo pelo seu cariz muito peculiar, reunia um conjunto de valores históricos e etnográficos, que a diferenciavam das restantes localidades.

A endogamia contribuiu de certo modo para a genuinidade e riqueza cultural da Glória do Ribatejo, contudo a partir das décadas de 60/70, a proliferação da comunicação social, a guerra do ultramar entre outros factores, ditaram a mutação e perda de certos valores tradicionais.

Considerando que esta riqueza se estava a perder, a ADPEC inicia a morosa tarefa de recolhas de peças de cariz museológico. Estas recolhas efectuadas junto da população só foram possíveis graças à colaboração entusiástica da população, que compreendeu os objectivos da associação.

O enorme espólio obtido junto da população, é muito diversificado, todas as peças recolhidas encontram-se devidamente inventariadas e catalogadas.

Devido a enorme diversidade de objectos, a ADPEC teve que conceber o Museu Etnográfico dividido em várias secções: agricultura, arqueologia, fotografias, bordados a ponto de cruz e vestuário.

_________________________
 

 

 

IGREJA DE NOSSA SENHORA DA GLÓRIA

__________________________

A igreja de Nossa Sr.ª da Glória, foi mandada edificar pelo monarca que ficou na história com o cognome de “O Justiceiro” (D. Pedro I), em 1362. A sua origem está envolta em algum mistério, segundo o cronista Fernão Lopes, a edificação deste templo deveu-se ao milagre que D. Pedro presenciou quando andava  a caçar nesta região, o monarca cai e sentiu um felino a aproximar-se, e então em desespero clamou por N. Sr.ª da Glória, o milagre aconteceu e afugentou o bicho que então se preparava para atacar o rei.

O rei D. Pedro I, como forma de gratidão, decide mandar construir esta igreja. Com o passar dos tempos, a igreja sofreu várias alterações, contudo há ainda 3 elementos iconográficos medievais: uma lápide medieval com a data de construção e o almoxarife, o escudo de armas de D. Pedro I e uma pequena escultura com a cara de um felino. A igreja terá sofrido alterações devido ao terramoto de 1755, e foi objecto de obras pela Rainha D. Maria I, conforme nos indica uma lápide presente na fachada da igreja.

_________________________
 

 

 

 

:: GRANHO

 

IGREJA MATRIZ DO GRANHO

__________________________

Igreja de construção recente, com linhas simples, a sua construção data de 1972, e tem como oráculo N. Sra. de Fátima.

_________________________
 

 

 

 

 

 

:: FOROS DE SALVATERRA

 

BARRAGEM DE MAGOS

__________________________

A Barragem de Magos foi a primeira obra que a Junta Autónoma das Obras de Hidráulica Agrícola fez para a agricultura ribatejana, e tinha por objectivos a defesa, enxugo e a rega do Paul de Magos. As obras da Barragem de Magos, datam de 1934 e foram realizadas sob a direcção da Junta, pelo Eng. Ramalho Rosa.

Actualmente este zona é um dos mais importantes espaços de lazer do concelho, permitindo agradáveis serões de contacto com a natureza.

_________________________
 

 

 

 

 

:: MARINHAIS

 

CAPELA DE SÃO MIGUEL ARCANJO

__________________________
A Capela de S. Miguel Arcanjo data de 1875, situa-se onde outrora fora o centro da vila. Estamos perante um templo de uma só nave e de planta rectangular, sendo possível constatar no seu interior um altar simples de alguma beleza.

_________________________
 

 

 

 

ESTAÇÃO DO CAMINHO-DE-FERRO DE MARINHAIS

__________________________

A Estação foi inaugurada em 1904, pelo próprio rei D. Carlos.

A sua construção foi um importante passo no desenvolvimento de Marinhais, e um meio de ligação ao Alentejo, a população em redor utilizou a partir daí, com proveito o novo meio de transporte

Hoje em dia a estação já não é usada, contudo mantém-se em bom estado de conservação, e ainda é possível ver o painel de azulejos de início do séc. XX, com a inscrição “MARINHAES”.

Existe um protocolo de colaboração entre a Câmara Municipal de Salvaterra de Magos e a AMAR - Associação para a Defesa do Património da Vila de Marinhais, para que o edifício da Estação de Caminhos-de-ferro de Marinhais, albergue a Sede da Associação.

_________________________
 

 

 

 

Contactos Úteis

  • Contactos Úteis

  • Farmácias

  • Autarquia

  • Saúde

  • Serviço de Ambulâncias

  • Direcção Geral do Território

    www.dgterritorio.pt

  • Guarda Nacional Republicana - Posto de Marinhais

    Tel.: 263 590 170

  • Guarda Nacional Republicana - Posto de Salvaterra de Magos

    Tel.: 263 504 118

     

  • Farmácia Glória do Ribatejo

    Largo 1º de Maio, 11
    Glória do Ribatejo
    263595280
  • Farmácia União

    Rua João Pinto Figueiredo, 139
    Marinhais
    263595109
     
  • Farmácia Costa

    Rua Imaculado Coração de Maria, 182
    Foros de Salvaterra
    263507795
  • Farmácia Brardo

    Urbanização São Miguel, LT. 1 Fração A R/C Dtº
    Marinhais
    243581119
  • Farmácia Martins

    Rua Heróis de Chaves, 31
    Salvaterra de Magos ( Frente à Rodoviária)
    263504319
  • Farmácia Carvalho

    Rua Dr. Gregório Fernandes, 20-22
    Salvaterra de Magos
    263504402
  • Divisão de Acção Social

    Tel.: 263 509 535

    Fax: 263 509 501

    email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

  • Divisão de Urbanismo e Planeamento

    Tel.: 263 509 510

    Fax: 263 509 501

    email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

  • Divisão de Obras Municipais e Serviços Urbanos

    Tel.: 263 509 500

    Fax: 263 509 501

    email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

  • Divisão Financeira

    Tel.: 263 509 500

    Fax: 263 509 501

    email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

  • Gabinete de Comunicação e Imagem

    Tel.: 263 509 500

    Fax: 263 509 501

    email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

  • Delegação de Foros de Salvaterra

    Largo 25 de Abril

    2120 Foros de Salvaterra

    Tel.: 263 509 507

    email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

  • Turismo

    Edifício do Cais da Vala

    Av. José Luís Brito Seabra, nº 137

    2120-052 Salvaterra de Magos

    Tel.: 263 509 520

    Fax: 263 509 501

    email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

  • Câmara Municipal de Salvaterra de Magos

    Praça da República, nº1

    2120-072 Salvaterra de Magos

    Tel.: 263 509 500

    Fax: 263 509 501

    Site: www.cm-salvaterrademagos.pt

    email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

  • Delegação de Marinhais

    Rua João Pinto Figueiredo nº 217

    2125 Marinhais

    Tel.: 263 509 505

    email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

  • Delegação de Glória do Ribatejo

    Av. Estados Unidos da América, nº9

    2125 Glória do Ribatejo

    Tel.: 263 509 509

    email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

  • Biblioteca Municipal de Salvaterra de Magos

    Praça da República, nº1

    2120-072 Salvaterra de Magos

    Tel.: 263 509 530

    Fax: 263 509 501

    email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

  • Falcoaria Real

    Av. José Luís Brito Seabra, nº17

    2120 Salvaterra de Magos

    Tel.: 263 509 522

    Fax: 263 509 501

    email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

  • Proteção Civil Municipal

    Tlm.: 962 116 577 (das 9h às 17h)

    Tel.: 263 504 463 (das 17h às 9h)

    email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

  • Delegação de Muge

    Rua da Glória

    2125 - 339 Muge

    Telm.: 967880118

    email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

  • Piscinas Municipais

    Zona Desportiva

    2120 Salvaterra de Magos

    Tel.: 263 509 550

    Fax: 263 509 501

    email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

  • Pólo Biblioteca de Glória do Ribatejo

    Tel.: 263 509 532

    Fax: 263 509 501

  • Pólo Biblioteca de Marinhais

    Tel.: 263 509 531

    Fax: 263 509 501

  • Unidade de Saúde do Granho

    Tel.: 243 589 364

  • Unidade de Saúde de Muge

    Tel.: 243 581 141

  • Unidade de Saúde de Glória do Ribatejo

    Tel.: 263 595 435

  • Unidade de Saúde de Marinhais

    Tel.: 263 595 359

     

  • Centro de Saúde de Salvaterra de Magos

    Tel.: 263 500 470

     

  • Unidade de Saúde de Foros de Salvaterra

    Tel.: 263 102 453

     

  • Casa do Povo de Glória do Ribatejo

    Tel.: 263 595 236

  • Casa do Povo de Marinhais

    Tel.: 263 595 440

  • Associação Humanitária do Granho

    Tel.: 243 581 228

  • Bombeiros Voluntários de Salvaterra de Magos

    Tel.: 263 504 463

     

  • Número Nacional de Emergência Médica

    Tel.: 112

  • Delegação de Muge

    Tel.: 243 581 294

  • Associação Humanitária de Foros de Salvaterra

    Tel.: 263 505 709